Remarketing

On 29/05/2012, in Dicas, Google Analytics, métricas, Noticias, Web Analytics, by kleberforato

O assunto Remarketing é hoje um tema muito discutido no mercado da Internet, porém muitos se enganam e o definem de forma errada, sendo normalmente associado ao Google. Assim não é difícil de ver pessoas pensando da seguinte maneira:

“Remarketing? Ah é aquela ferramenta do Google!”

Mas na verdade não é isso, claro que o assunto passou a ser mais “popular”, assim como aconteceu com outros temas, após o Google lançar no Brasil sua própria ferramenta, que está atrelada ao Adwords e aos anúncios da Rede de Conteúdo.

Como a ferramenta do Google é a mais “popular” e utilizada no momento vamos falar dela, mas devemos ter em mente que:

“Remarketing é a forma de “marcar” as ações dos usuários de maneira que possamos atingi-los novamente aumentando as chances de conversão…isto através de segmentação!”

No caso do Remarketing do Google o funcionamento se ocorre da seguinte forma:

O usuário acessa seu site, navega e vai embora, com o Remarketing ativo as ações/interesses dele foram gravados em um cookie que fica guardado no computador que ele utilizou para este acesso, depois o usuário entra em outro site com conteúdo similar e é nesta hora que o Remarketing através do cookie identificará o interesse do usuário e irá oferecer através da Rede de Conteúdo um anúncio mais pertinente, permitindo que o usuário volte ao seu site efetuando a conversão, ou seja, ofereça anúncios customizados e direcionados a um público específico.

É uma forma eficaz de reconquistar o usuário perdido ou ajudá-lo a definir onde comprar. Para utilizar o Remarketing do Google é preciso ativar a função (dentro do Google Adwords) e inserir uma tag javascript em seu site. É através desta tag que o Adwords receberá as informações e serão criadas os grupos de visitantes (listas) classificados de acordo com suas ações e navegação.

Com uma base de informações já criada você poderá criar campanhas na Rede de Conteúdo customizadas selecionando qual lista você quer exibir o anúncio.

Para cada objetivo, ou seja, para cada grupo de sua lista, uma “etiqueta” deverá ser criada com nomenclaturas diferentes para ser selecionada no direcionamento da campanha.

E como entender se isso está dando certo?

É importante ressaltarmos aqui que provavelmente a quantidade de visitas através da campanha como um todo deverá diminuir, porém, a qualidade da visitação e as conversões, assim como o CTR da campanha devem melhorar e muito.

Alguns pontos que devem ser criados e acompanhados para o sucesso do Remarketing:

– Personalize, crie “etiquetas” para cada público e objetivo que deseja atingir, mas cuidado com o exagero “quem quer tudo, não tem nada”;

– Segmente por período, a comunicação e a abordagem dos usuários que acessaram seu site nos últimos 30 dias deve ser diferente daqueles que já passaram por lá há 3 meses (combinações personalizadas);

– Segmente cada fase do seu funil, lembre-se que um usuário que chega mais próximo do final está mais “seduzido” do que um usuário que apenas iniciou a etapa de compra;

– A funcionalidade Remarketing forma seus grupos de visitantes, porém é o seu trabalho com o seu criativo que fará a diferença, já que quem cria os anúncios é você, ofereça ao usuário aquilo que ele estava procurando ou variações do mesmo produto;

– Comece devagar, crie grupos maiores e mais abrangentes partindo da sua homepage por exemplo, verifique o comportamento do ROI e a partir daí passe a expandir e criar níveis;

– Lembre-se: o Remarketing trabalha com usuários que já foram atingidos, já passaram pelo seu site, e existe um enorme grupo lá fora que ainda não te conhece, por isso continue investindo em publicidade.

Importante: existe uma função para o usuário desabilitar a exibição destes anúncios, portanto tenha cuidado na criação dos grupos e principalmente nos anúncios segmentados.

O Remarketing está sendo cada vez mais utilizado nos anúncios web, grandes empresas já possuem esta funcionalidade para compra de mídia e segmentações mais avançadas, as adnet’s oferecem recursos e formas de veiculação de mídia muito interessantes e com um índice de acerto do público alvo muito alto, a frase do grandioso Avinash Kaushik está cada vez mais atual:

“Segment or die!”


Entenda mais e veja como criar as tags e ativar a função Remarketing dentro do Google Adwords em:

– Funcionamento do Remarketing Google:

http://support.google.com/adwords/bin/answer.py?hl=pt&answer=170449

– Etiquetas de Remarketing:

http://support.google.com/adwords/bin/answer.py?hl=pt&answer=176446

РDesativar exibi̤̣o de an̼ncios:

http://www.google.com/ads/preferences/html/about.html

Google Analytics cada vez mais social

On 20/03/2012, in Uncategorized, by flaviosilveira

Foi anunciado pelo blog do Google Analytics uma nova mudança na ferramenta, disponível a todos na versão Standard  e Premium durante as próximas semanas, que vai agregar e enriquecer ainda mais nossas análises.

O post fala de uma nova abordagem e forma de exibição para os relatórios de Social Media da ferramenta, somando ainda mais ao tracking de plugins sociais e das fontes de referência.

A idéia é integrar tudo e deixar mais fácil de se entender o impacto das redes sociais nos sites.

Mas antes é importante entender que o Google Analytics não é, e não tem pretensão, de ser uma ferramenta de listening para redes sociais, ou seja, um coletor de posts através da busca de termos para se avaliar e qualificar o que estão falando sobre determinados assuntos.

O principal foco do GA é mostrar e ajudar a melhorar resultados de sites em estratégias de relacionamento, seja essa relação comercial, fornecimento de conteúdo ou qualquer outra.

Por isso a abordagem é de facilitar o entendimento do quanto as mídias sociais são importantes para alcançar os objetivos definidos e desta maneira aumentar o campo de visão para além do que acontece dentro do site (como já acontece), expandindo para fora dele.

A chave serão as visitas vindas destes canais sociais (origem das visitas), as metas atingidas por estas visitas (Metas) e os links que trouxeram estas visitas (Páginas e Posts destes links do Social Data Hub).

Para detalhar mais:

Visitas vindas dos links postados nas fontes de referências de redes sociais e suas conversões.

Páginas e suas métricas acessadas por estas visitas.

Apesar de não ser o foco também teremos o streaming dos posts destes links (somente das redes sociais que estão conectadas ao Social Data Hub, que segundo a documentação do Google Code atualmente são as seguintes: AllVoices, Badoo, Blogger, Delicious, Digg, Diigo, Disqus, Echo, Gigya, Google+, Google Groups, Hatena, Livefyre, Meetup, Read it Later, Reddit, Screen Rant, SodaHead, TypePad, VKontakte, yaplog!).

Se houver implementação de plugins sociais continuará a aparecer no grupo de relatórios de Social Media Reporting.

GA Social

Como podemos ver na imagem acima fica bem claro neste novo formato o impacto direto e indireto das redes sociais nas conversões e se pensarmos mais profundamente já da para ter noção de diversos tipos de cruzamentos dados, inclusive com variáveis custodiadas, que poderemos fazer para gerar reports com insights importantes para gerar ação e otimização na relação do visitante com o site.

Uma observação extra aqui é relacionada ao volume de dados que o Google Analytics esta recebendo, sendo que antes tínhamos apenas aqueles coletados pelo java script , para pouco depois termos as informações dos anúncios feitos na rede do Google, depois os dados das ferramentas de webmasters e agora mais informações de mídias sociais….com tendência de aumentar ainda mais.

A preocupação apontada aqui é porque cada vez mais estamos incluindo dados dentro de uma ferramenta que como sabemos possui limites, o que por outro lado vai exigir mais inteligência dos responsáveis pelas implementações, parando com a execução de projetos que visam “Medir Tudo”, seguindo ao pé da letra o conceito de “Na internet podemos medir tudo”, para procurar a antes de começar um “tagueamento” pensar mais estrategicamente em “O que é preciso medir para se ter resultados cada vez melhores e de acordo com os objetivos deste site?”.

Então muita atenção, porque a ferramenta vai continuar a evoluir ainda mais (tanto a versão Premium como Standard) e ficará cada vez mais difícil para o famoso “ah, é só copiar e colar o código”… :o)

O que você achou? 😉

Até o próximo post!

 

Foi com muita tristeza que recebemos oficialmente a notícia de que o Urchin seria descontinuado pelo Google.

Tela do Urchin 7

O produto foi adquirido pelo Google em março de 2005 para ser o motor de sua estratégia digital em Analytics, dando origem ao Google Analytics.

De acordo com o comunicado oficial, feito por Paul Muret – diretor de Engenharia do Google, o Urchin não receberá mais updates e será comercializado apenas até o final de março de 2012.

A Criatura mais uma vez supera o Criador…

Fica clara a intenção do Google em incentivar os usuários do quase aposentado Urchin a migrarem para a versão online de sua ferramenta de Web Analytics, o Google Analytics, que, recentemente,  teve sua versão paga, o Google Analytics Premium, anunciada.
Acreditam em coincidência???

A pergunta que não quer calar é:
O Google Analytics conseguirá suprir todas as necessidades dos usuários do Urchin?

E a resposta …infelizmente, não!!!

As ferramentas têm propósitos diferentes. O Urchin tem a capacidade de processar:

  • Arquivos de logs de diferentes formatos;
  • Dados gerados por aplicações legadas antigas, onde se torna impossível a inclusão de tags;
  • Informações em servidores instalados na própria empresa, evitando assim que informações confidenciais trafeguem pela web e sejam administradas por terceiros;
  • Além de poder apresentar dados com maior granularidade e possibilidade de integração com outras ferramentas de CRM (Customer Relationship Management) e BI (Business Inteligence).

    Mas então por que o produto está sendo descontinuado???

    Esta é uma pergunta que somente o Google, baseado em sua estratégia com foco no Google Analytics, poderá nos responder.

    Esperamos que mais uma vez o Google nos surpreenda…  mas da próxima, positivamente!

    Agora é esperar pra ver…

    Até o próximo post!

    Tagged with:
     

    Para quem já estava íntimo do Google Analytics e já o chamava de GA, vai ter que se acostumar com dois novos nomes:

    Mas no post de hoje os holofotes vão para a versão Premium!

    Lançado como uma versão corporativa, o novo produto do Google para a área de Web Analytics vem com todas as ferramentas do Standard Edition a mais algumas para aumentar seu poder de fogo na geração de insights.

    As novidades vêm em 4 grandes áreas:

    • Poder de processamento: Possibilidade de processar bilhões de acessos por mês, dando mais flexibilidade às suas análises; relatório de grandes volumes de dados; exportação direta da interface do usuário; e tempo de acesso aos dados coletados mais rápidos, o que permite avaliar mais rapidamente o impacto das campanhas de marketing.
    • Garantia de Serviço: Coleta de dados com 99,9% de nível de serviço; 99% de garantia de acesso aos relatórios; e 98% dos dados mostrados nos relatórios com um tempo inferior a 4hs desde a coleta.
    • Análises Avançadas: Conta com ferramentas de “Modelagem de Atribuição” para que você possa entender melhor o valor de cada parte do seu mix de marketing; flexibilidade de se criar até 50 variáveis para personalizar sua conta; coleta de dados exclusiva do seu site.
    • Suporte: Equipe própria de suporte; implementação global, com avaliação de negócios e tecnologia, revisão de qualidade e treinamento; gerente de contas dedicado, que proverá uma comunicação regular, relatório sobre seus objetivos, e um roteiro de tecnologia Google Analytics; suporte técnico para situações de emergência.

    O produto foi lançado a princípio no Reino Unido, Canadá e EUA, onde foram feitos testes com empresas como Gucci, Travelocity, eHarmony, entre outras, para terem certeza que o produto estava de acordo com a expectativa que deverá criar no mercado. Os demais paises, como o Brasil deverão aguardar mais alguns meses para que seja disponibilizado via Representantes Especializados Premium ou diretamente com o Google.

    E o preço? Este ainda não está fixado para a América Latina, mas deveremos ter uma definição em breve.

    O que vocês acharam desta novidade? Até o próximo post.

     
    Agora no mês de Abril a comScore lançou seu serviço de Web Analytics.
    Após a compra de empresas como NedStat (2010),Certifica (2009) e M:Metrics (2008), finalmente a comScore criou uma nova plataforma
    de coleta de dados, o Digital Analytix (http://www.comscore.com/digitalanalytix). Usando a tecnologia Atomix, esta plataforma consegue entregar os dados coletados de
    maneira flexivel em tempo real.
    A plataforma consiste em 7 módulos:
    Audiência;
    Streaming, tanto para vídeos como para audio;
    Celulares;
    Atribuição de campanha;
    Engajamento, tanto de seu site como de sua campanha;
    Testes A/B e Multivariável; e
    Google AdWords – com integração a produtos já existentes da empresa como comScore Marketer e qSearch.
    Uma das vantagens da nova plataforma é a possibilidade de integração com outras ferramentas de dados como CRM, BI e Data
    Warehouse, além de aplicações proprietárias, através de OfficeLink, One Call API ou de parceiros terceirizados. Outros benefícios
    são:
    Informações granulares – acessando os dados em um nível atômico e desagregador, permite visualizações momentâneas de segmentos,
    períodos de tempo e ações personalizadas.Estes dados brutos e não-agregados dão aos analistas a flexibilidade para responder perguntas
    rapidamente, com frequencia sem tocar o código HTML de uma página;
    Facilidade de instalação – A plataforma já esta integrada ao comScore UDM, que coleta os dados para a medição de audiência,
    falititando inclusive a geração de dados para o painel comScore;
    Segmentação em tempo real;
    Possibilidade de modificar relatórios existentes e criação de novos através de simples comandos de arrastar e soltar;
    Medição detalhada de cada ação do usuário, facilitando a conecção entre as ações e conversões;
    Medição de celulares, streaming e sites integrados em uma única visualização;
    Uma preocupação na criação da plataforma foi a eficiência do processo de coleta de dados. Ao invés em vez de recolher cada
    dado isolado de um vídeo, a tecnologia Atomix recolhe todos os dados necessários com uma quantidade mínima de transmissão.
    O resultado é um processo de coleta de dados mais eficiente, sem diminuir a qualidade da experiência do usuário ou diminuir
    a eficiência da medição.
    Utilizando-se da sua experiência na coleta de dados de painel, a comScore preocupou-se em incluir nesta plataforma a
    possibilidade de termos dados demográficos dos visitantes, integrado ao seu painel de 2 milhões de pessoas.
    A Microsoft, quando lançou o seu falecido Web Analytics Gatineau,também quis unir este tipo de dado a navegação, porém sem
    sucesso. Vamos aguardar se esta facilidade realmente se verifica nesta nova plataforma.
    Outro problema, que existe em qualquer Web Analytics que utiliza cookies para medir visitante único, que esta plataforma
    procura endereçar é o caso da eliminação dos cookies por parte das pessoas, para isso a comScore irá utilizar seu painel para
    calibrar e pesar esta eliminação fazendo com que o dado seja mais real possível. Esta eliminação é feita, de acordo com
    pesquisas feitas pela própria comScore, por cerca de 20% a 30% das pessoas, dependendo do país.
    Nos parece um produto bastante inovador, agora é partir para os testes 😉
    Gostou? Deixe seu comentário.
    Até o próximo post!

    No WAW-SP (Web Analytics Wednesday – São Paulo) de Abril a comScore nos mostrou seu novo lançamento, um serviço de Web Analytics que cria alguns diferenciais com o que temos hoje no mercado. Após a compra de empresas como NedStat (2010),Certifica (2009) e M:Metrics (2008), finalmente a comScore criou uma nova plataforma de coleta de dados, o Digital Analytix. Usando a tecnologia Atomix, esta plataforma

    Cross Media

    consegue entregar os dados coletados de maneira flexível em tempo real.

    A plataforma consiste em 7 módulos:

    • Audiência;
    • Streaming, tanto para vídeos como para audio;
    • Celulares;
    • Atribuição de campanha;
    • Engajamento, tanto de seu site como de sua campanha;
    • Testes A/B e Multivariável; e
    • Google AdWords – com integração a produtos já existentes da empresa como comScore Marketer e qSearch.

    Integração

    Uma das vantagens da nova plataforma é a possibilidade de integração com outras ferramentas de dados como CRM, BI e Data Warehouse, além de aplicações proprietárias, através de OfficeLink, One Call API ou de parceiros terceirizados.

    Flexibilidade

    Outros benefícios incluem:

    • Informações granulares – acessando os dados em um nível atômico e desagregador, permite visualizações momentâneas de segmentos, períodos de tempo e ações personalizadas.Estes dados brutos e não-agregados dão aos analistas a flexibilidade para responder perguntas rapidamente, com frequencia sem tocar o código HTML de uma página;
    • Facilidade de instalação – A plataforma já esta integrada ao comScore UDM, que coleta os dados para a medição de audiência, falititando inclusive a geração de dados para o painel comScore;
    • Segmentação em tempo real;
    • Possibilidade de modificar relatórios existentes e criação de novos através de simples comandos de arrastar e soltar;
    • Medição detalhada de cada ação do usuário, facilitando a conecção entre as ações e conversões;
    • Medição de celulares, streaming e sites integrados em uma única visualização;

    Uma preocupação na criação da plataforma foi a eficiência do processo de coleta de dados. Ao invés em vez de recolher cada dado isolado de um vídeo, por exemplo, a tecnologia Atomix recolhe todos os dados necessários com uma quantidade mínima de transmissão. O resultado é um processo de coleta de dados mais eficiente, sem diminuir a qualidade da experiência do usuário ou a eficiência da medição.

    Utilizando-se da sua experiência na coleta de dados de painel, a comScore preocupou-se em incluir nesta plataforma a possibilidade de termos dados demográficos dos visitantes, integrado ao seu painel de 2 milhões de pessoas.  A Microsoft, quando lançou o seu falecido Web Analytics Gatineau,também quis unir este tipo de dado a navegação, porém sem sucesso. Vamos aguardar se esta facilidade realmente se verifica nesta nova plataforma.

    Perfil

    Outro problema, que existe em qualquer Web Analytics que utiliza cookies para medir visitante único, que esta plataforma procura endereçar é o caso da eliminação dos cookies por parte das pessoas, para isso a comScore irá utilizar seu painel para calibrar e pesar esta eliminação fazendo com que o dado seja mais real possível. Esta eliminação é feita, de acordo com pesquisas feitas pela própria comScore, por cerca de 20% a 30% das pessoas, dependendo do país.

    Nos parece um produto bastante inovador, agora é partir para os testes 😉

    Gostou? Deixe seu comentário.

    Até o próximo post!

    Tagged with: